• Sugestões de Melhoria e Reclamações

    Na Universidade de Coimbra, a sua opinião conta.

    Por isso criámos o Sistema Integrado de Melhorias: um canal aberto para a apresentação de sugestões de melhoria ou reclamações, possibilitando assim que o possamos servir cada vez melhor.

    Para manifestar a sua opinião específica sobre a página web UC.PT, clique aqui.

    Obrigada.
    Universidade de Coimbra

    Imagem de teste reCAPTCHA
    Captcha incorrecto.
    Escreva as palavras acima: Escreva os números que ouve:

A guerra colonial em Moçambique

José Dias*

“A Construção de um Pipeline Informativo como Contributo para a Paz – Novembro de 70 a Novembro de 73”

 

Texto escrito a partir das notas utilizadas pelo autor no testemunho que prestou na tertúlia do Não Apaguem a Memória, que teve lugar no Convento dos Dominicanos em Lisboa, a 22 de Fevereiro deste ano, intitulada “Os Católicos na Luta contra a Ditadura” que moderou

 

  1. Secção Colonial

 

As lutas estudantis dos finais dos anos sessenta nas três universidades nacionais foram demolidoras para o regime.

As mulheres, os católicos, as novas esquerdas, tornam-se uma força emergente e permanente, somando-se às já existentes.

A luta anti-colonial assume uma nova centralidade no combate político dos babby-boomers instruídos, filhos das classes burguesas, média e média baixa.

A guerra colonial vai com mais de oito anos. Em três teatros de operações. O número de mortos, de feridos, de refractários, de desertores, não cessa de aumentar. A emigração económica continua, silenciosa. A diplomacia internacional faz cada vez mais sentir o seu desconforto ao regime ditatorial.

As Forças Armadas estão exauridas. Os seus efectivos permanentes já não chegam. Intensifica-se o recrutamento junto dos conscritos oriundos das colónias. Mas também não chegam, Particularmente para chefiar.

Dezenas de rapazes, contaminados pelas brisas do Maio de 68, do Pós-Vaticano II,  das crises académicas, atreitos à família, ao conforto, com percursos escolares recém terminados, em vias disso ou nem por isso, já com sintomas directos ou indirectos de rebeldia, mesmo de desafectação, provocado pelas intervenções sucessivas da PIDE/DGS, vão ver cessar os sucessivos adiamentos militares ou ter de atrasar a sua entrada na vida profissional.

Chamados a cumprir o serviço militar obrigatório. Seguem para Mafra. Para o curso de oficiais milicianos. Há pressa em quem os convoca. E receio em quem é convocado.

Conheciam-se ou passaram a conhecer-se. São muitos. Chegam em vagas sucessivas. A Escola Prática de Infantaria em Mafra transforma-se numa proto Universidade Aberta. Estudam-se manuais de defesa e de ataque. Mas também novas cidadanias e cumplicidades. Alguns, talvez a maioria, aí entram como tementes à ditadura, mas quando saem pouco tempo depois, são tenentes e capitães milicianos, sem saber o que os espera. Mas a cabeça não pára de se inquietar.  

Vemo-los partir. Cautelosos. Vão surpreender-nos. Muitos deles. Segue-se, como exemplo, o percurso de alguns deles.

Chegam ao norte de Moçambique. Comandam tropas. A moral que os leva a combater é de muito baixa tensão. Comem o pão que o diabo amassou. Descuidam a vigilância da PIDE/DGS que apesar dos enormes efectivos ao longo do Império, já não topa a tudo. As suas origens escondem ou amortecem o perigo. Não são objecto prioritário de investigação. Os serviços de inteligência não dispunham dos meios logísticos de hoje.

Relatórios militares com a indicação de secreto, conhecidos por perintrep e sintrep, de uma enorme minúcia sobre as posições da tropa amiga e inimiga, passam-lhes pelas mãos amiúde.  Lembram-se do papel que tiveram nas associações de estudantes como fautores e distribuidores da informação policopiada e do prazer que lhes dava lê-los e distribui-los. Sorriem no meio do pântano.

Mas há que, dentro do prazo a que são obrigados, queimar os documentos. As assinaturas para tal são conseguidas. Quem manda pode. De jure “já eram”. Mas “de facto” talvez não.

Os documentos acumulam-se e “queimam” quem os retém. A frequência de voos entre os aeroportos militares do norte de Moçambique, como de Nampula para a Beira e Lourenço Marques, é a de tempo de guerra. Muitos. Os documentos estão irrequietos.

Os oriundos do norte de Cabo Delgado chegam à capital, Lourenço Marques, após 2.500 km. Por via aérea. Limpos e legíveis. A sua Longa Marcha começou. Em Novembro de 1970. O pipeline começa a ser montado.

De imediato ou com ligeira espera, por mão amiga, civil ou militar, nas barbas das autoridades, insuspeitos cidadãos transportam-nos. Não saberão, todavia, o que levam. E o que pode valer o que levam. Excelente.

À primeira vez com medo, à segunda com prazer. A TAP e a aviação militar operam num vaivém frequente Lourenço Marques – Lisboa.

Os irrequietos e preciosos documentos chegam a Lisboa. Percorreram mais 16.000 km. Acabaram por andar muito e depressa.

Nota – texto construído a partir de relatos avulsos de cidadãos nacionais, credíveis,  hoje com mais ou menos setenta anos, lidos em blogs e outras redes sociais. Basta uma breve pesquisa e alguma paciência.

 

  1. Secção da Resistência

 

Apesar do regime ser católico, desde praticamente 1926 e até 1974, o disenso católico existiu. Por períodos mais curtos, mais espaçados, com vozes solitárias, até 1958. Mas, as eleições de Delgado e a carta do Bispo do Porto marcaram um novo tempo. O pós-Vaticano II e a recepção por Paulo VI aos lideres do PAIGC, do MPLA, da FRELIMO, vão erguer uma força emergente e inesperada. Nascem os Católicos Progressistas. Educados para serem tementes a Deus, como os demais, vão ser possuídos pelo Diabo.

As questões da Guerra e da Paz são-lhes particularmente sensíveis. A Hierarquia tremelica. O regime espanta-se. Óptimo! Temos novidade! Chegam já depois de outros. É verdade. Mas chegam frescos e com novas ideias e práticas. Vão surpreender muita gente, da situação e da oposição.

A sua história está datada e bem escrita. Alguns dos seus lideres estão vivos. Importa tão só avivar pormenores. No que à luta anti-colonial respeita.

No inicio dos anos 70 começam a circular os Sete Cadernos Sobre a Guerra Colonial, herdeiros do Direito à Informação e contemporâneos dos cadernos GEDOC. A informação que transmitem é demolidora. Revelam muito do que não se publica, devido à mordaça da censura, mas que a imprensa internacional faz circular. Como novos apóstolos distribuem o pão sob a forma de texto e palavra. Precisamente a fome que urgia matar. A da informação. Foram prospectivistas. Coisa rara à época e hoje.

O Grupo, de mulheres e homens. é pequeno e muito coeso. Alarga-se pela cumplicidade de tantas e de tantos, numa heterogeneidade de tarefas complementares. A série considera-se concluída. Toda uma história. Para aquecer e encorajar. As Edições Afrontamento publicaram-nos em livro.

O volume de informação que lhes continua a chegar impele-os a nova empreitada. Publicam nove boletins conhecidos por BAC, Boletim Anti-Colonial. Fontes frescas alimentam o caudal informativo. Toda uma outra história. Um autêntico centro de documentação, reflexivo e operativo. Civis com raciocínio militar. É obra! E, talvez inédito!

Atentos à sua corajosa iniciativa e confiantes no contacto, portadores dos documentos anteriormente referidos, guardados em boas mãos em Lisboa, começam a drená-los a bom ritmo para o Grupo. O perigo aumenta. As cumplicidades também. Numa relação directa e confiante. O pipeline precisa de continuar a ser construído. 

Jornalistas oriundos dos Países Baixos passam a visitar Portugal, após as eleições de 69. Pretendem conhecer os rostos da nova oposição emergente. Acabam por contactar, entre outros, membros relevantes do grupo do BAC. Não era difícil dar com eles. Tudo na legalidade, casas, empregos, vidas. Dão-se conta da oportunidade. Informam o Angola Comité, em Amesterdão, do alcance do que acabam de conhecer. Um dos mais antigos e prestigiados grupos de acção anti-colonial na Europa, próximos dos movimentos anti-coloniais. As vindas e idas tornam-se recorrentes. O Grupo do BAC e o Angola Comité estabelecem relações fraternas. O pipeline ganha músculo.

Os documentos originais, agora fotocopiados, passam a percorrer mais 2. 000. por via aérea.

Nota –  texto construído a partir de simples pesquisa no sítio do CIDAC - http://cidac. pt, de conversas avulsas com membros do BAC, da leitura do texto/testemunho de Luiza Sarsfield Cabral, no debate do Não Apaguem a Memória “ Os Católicos na Luta contra a Ditadura”, da leitura do texto “Irmãos do Ocidente – Solidariedade na Holanda com Moçambique, 62-05, Sietse Bosgra, Universidade Eduardo Mondlane, Arquivo Histórico de Moçambique, Instituto Holandês para a África do Sul, 71 pgs, Paul Staal, Pg 32”, retirado do Google.

 

  1. Secção Anti-Colonial

 

A FRELIMO tem um representante permanente em Amesterdão, que toma boa nota da qualidade e veracidade dos documentos. Um conjunto de diamantes chega às suas mãos. Mas falta lapidá-los. Por quem mais precisa deles. E tenha conhecimentos para tal.

Os voos regulares de Amesterdão para Dar-es-Salam, capital da Tanzânia, onde a FRELIMO tem uma forte delegação, dadas as relações de cumplicidade com Julius Nyerere, seu Presidente, passam a transportar os documentos, por correio expresso ou em mão.

São analisados com minúcia. Acabaram de percorrer mais 10.500 km. Por via aérea.

Pela sua acuidade seguem de imediato para o quartel general avançado da FRELIMO  em Nachingwea, por via aérea, percorrendo mais 500 km. Voo doméstico. A via aérea cessa o seu contributo.

Daqui já não saem mais. Mas as colunas motorizadas e apeadas, de guerrilheiros da FRELIMO, fazem chegar o essencial da informação aos comandos na frente de guerrilha. Os último 300 km foram percorridos. Com sucesso. Pela primeira vez por terra.

Nota – texto construído a partir de testemunho de Joaquim Chissano, comandante da FRELIMO e Presidente da República de Moçambique, dado a Joaquim Furtado, jornalista da RTP, transmitido e ouvido num dos programas da série a Guerra.

Curiosidades do pipeline:

Continentes abrangidos – África e Europa

Países envolvidos -  Moçambique, Portugal, Holanda, Tanzânia

País em guerra – Moçambique

País em ditadura – Portugal

Democracias – Holanda, Tanzânia

 

Vinte e cinco anos após a II Guerra Mundial, talvez tenha sido :

. o mais extenso - 32.000 km, obtidos com recurso ao Google Mapas 

. o mais rápido – na fase mais afinada, os documentos demoravam entre uma semana a  dez dias a viajar de montante a jusante

. o mais seguro – os documentos eram transmitidos exclusivamente face a face, estávamos ainda longe do facebook

. o com menos gente envolvida – cerca de 20 pessoas, por estimativa canal de drenagem de documentos em teatro de guerra, entre “inimigos” distanciados de poucos metros

 

Notas finais:

. O pipeline foi cortado em Lisboa, em 25 de Novembro de 73, devido à prisão de grande parte dos membros do BAC pela PIDE/DGS, conforme numerosos relatos sobre o assunto

. Todavia, porque a policia politica nunca apanhou todos os seus membros, ainda foi possível fazer chegar, a partir de Lisboa para o Norte de Moçambique, quer para o lado da tropa nacional quer para o lado da guerrilha, a informação das prisões e a boa noticia de que de um e de outro lado, frente a frente, estavam oficiais da mesma geração, contemporâneos das lutas académicas, oposicionistas, que afinal estavam do mesmo lado e não frente a frente, combatendo o mesmo inimigo, a ditadura nacional/colonial.

. Nos últimos meses, antes do 25 de Abril, na frente Norte de Moçambique, a situação era de não guerra e os bilhetinhos deixados e transmitidos de um lado para o outro passaram a ter conteúdo de cumplicidade.

. Há breves partes do texto que são obviamente ficcionadas, dada a impossibilidade da sua comprovação

. O autor reconhece-se não como EsEsEs, Especialista Especialmente Especializado, mas como EsPoNe – Especialista em Porra Nenhuma pelo que o texto tem o valor que lhe entender dar. Tão só!

EM HOMENAGEM A TODAS AS CIDADÃS E A TODOS OS CIDADÃOS QUE ENTRE 1926 E 1974 SE INDIGNARAM, SE EMPENHARAM E CONTRIBUIRAM PARA O CAMINHO DA ESPERANÇA QUE SE ABRIU NO 25 DE ABRIL

* Memórias do Cidadão José Dias, Afrontamento, Maio de 2008

Topo da página
Centro de Documentação 25 de Abril © 2017
Suporte: ucd25a@ci.uc.pt ; Sugestões: Formulário
www.cd25a.uc.pt
Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional